Comida fresca para a larva da vespa

Posted on

Juntamente com os ovos depositados a vespa fêmea inocula uma poderosa toxina que encerra de uma vez o ciclo de desenvolvimento da lagarta.

A final desse período a larva aparentemente libera substâncias químicas na aranha que a induzem uma mudança de comportamento. Assim, nós simulamos o mesmo período no qual a larva fica sugando a aranha. Esse ovo gera uma larva que faz pequenos furos no abdômen da aranha para sugar a hemolinfa. Na sequência, a larva mata a aranha e constrói o casulo nessas teias modificadas. Já foi observado que essas teias modificadas são mais resistentes , o que sugere que a larva de alguma forma induz a alteração comportamental da aranha, obtendo esse benefício”. Os pesquisadores da Universidade de Montreal descobriram que, depois que uma vespa fêmea consegue injetar seu ovo na joaninha, a larva se alimenta dos tecidos internos do inseto. Depois de ser injetada na joaninha, a larva de vespa se desenvolve por 20 dias dentro do abdômen da hospedeira. O exato mecanismo que a vespa usa para manipular a joaninha ainda não foi esclarecido, mas os pesquisadores desconfiam que envolve o veneno deixado pela larva no corpo da joaninha. Terminada a construção, a aranha, que já parara de se alimentar dois dias antes, morre e serve de alimento para a larva, que então constrói seu casulo.

Outras formas de tratar e remover a larva

  • Muito insatisfeito
  • 100%Muito satisfeito

Sendo um predador protegido contra outros predadores, a joaninha poderia levar uma vida de insecto perfeita… se não fossem as vespas que põem ovos dentro do seu corpo vivo.

Embora o corpo da joaninha esteja agora livre do parasita, a sua mente permanece cativa: a joaninha permanece imóvel enquanto, debaixo de si, a larva constrói um casulo de seda. A fêmea cola os ovos ao corpo do hospedeiro. Ao emergir, a larva perfura alguns orifícios no abdómen da aranha e suga-lhe o sangue. “A vespa fêmea arrasta a aranha para o interior de uma fenda ou toca”, afirmou. Quando o ovo choca, a larva continua grudada na aranha como uma sanguessuga, alimentando-se dos fluídos internos durante uma semana. Quando está pronta para gerar seu casulo, a larva coage a aranha a construir um último projeto. A larva recompensa a aranha pelos seus esforços sugando-a até deixá-la seca. Depois de fecundada, a fêmea precisa produzir seus ovos e para cuidar deles ela usa o carangueijo hospedeiro. Até o comportamento de liberar as larvas recém-nascidas na água através da agitação da bolsa de ovos, como se fosse uma fêmea com seus próprios filhotes!

3. Aranha no ouvido

Por exemplo, a Hymenoepimecis argyraphaga (vespa) deposita seus ovos dentro de um Argyra Plesiometa (um tipo de aranha).

A fêmea rissa encontra a larva da vespa Possui uma vespa parasita que se tornou enredada em uma teia de aranha, com o proprietário tendo para baixo sobre ele para um ataque. Quanto à vespa, ela está intimamente relacionada a uma espécie que ainda existe hoje - uma que é conhecida por parasitar ovos de aranha e insetos. Depois de adulto o “alien” resolve sair pra fora: arrebenta a barriga da aranha e sai vivo procurando água”. Quando a aranha está imóvel, porém viva, a vespa deposita seu ovo na ponta do abdome da aranha e então se vai deixando sua vítima recuperar do ataque. Aranha Leucauge argyra, espécie nativa da Costa Rica também parasitada por vespas (Foto: Judy Gallagher - Wikimedia Commons) Uma aranha segue pacificamente sua rotina. É quando uma vespa pousa e adere um ovo à superfície do abdome da aranha. Teias da aranha com formatos diferentes foram observadas abrigando casulos da larva que se tornaria vespa. No trabalho publicado, o professor descreve o processo pelo qual a larva da vespa obriga a aranha a construir uma teia com arquitetura diferente para abrigar sua pupa.

Comida fresca para a larva da vespa

De repente, uma vespa aproximou-se da teia e a aranha não teve como reagir: em segundos, foi picada e paralisada pela substância que a vespa injetou nela.

Após alguns momentos, o efeito da picada da vespa passou e a aranha voltou ao normal: continuou construindo sua teia em forma de círculo para capturar suas presas. Até que chegou a hora em que a larva deveria sair: nesse dia, a aranha começou a construir uma teia totalmente diferente do modelo circular normalmente feito por ela. A larva utilizou a aranha para obter algo que não conseguiria sozinha: um suporte mais forte e durável para seu casulo, que poderia ser destruído por chuvas fortes. Por isso, a relação entre a larva e a aranha é uma forma de parasitismo. Ele acha que a larva da vespa forçou a aranha a construir a teia-casulo pela ação de substâncias químicas. Para chegar a essa conclusão, o cientista retirou a larva do abdome da aranha um pouco antes de ela começar a construir a teia-casulo. Ele pensou que a aranha poderia estar construindo a teia diferente só porque a larva estava em seu abdome. No entanto, mesmo quando a larva foi removida, a aranha continuou a construir a teia-casulo. O cientista concluiu que a larva da vespa deveria usar uma substância para mudar o comportamento da aranha.

Destino da dona aranha

Quando a larva foi retirada, a substância continuou agindo e a aranha continuou construindo a teia-casulo.

Largata parasitada por larvas de braconídeos: Braconídeos são pequenas vespas que se alojam no corpo das largatas depositando seus ovos. ataca a aranha Plesiometa argyra e, após paralisá-la com veneno, injeta seus ovos no abdome do aracnídeo. Ovos de vespa são colocados dentro dela e, de alguma forma, eles controlam a mente da aranha, que constrói teias especialmente preparadas para receber as larvas depois e mantê-las seguras. Depois de cumprir a tarefa, a aranha se acomoda no centro do casulo, onde serve de alimento para a larva. De acordo com o professor, depois que a larva da vespa atinge o terceiro estágio de desenvolvimento, ela injeta uma substância no corpo da aranha. Passados 15 dias, a larva da vespa mata e come a aranha para ficar livre e construir seu casulo na teia.