Diferença entre as técnicas: Correntes Parasitas e Correntes Parasitas Pulsadas (Parte 3)

Posted on

Quando existe uma descontinuidade no material onde estão as correntes parasitas, a circulação é afetada, desbalanceando o sistema e possibilitando sua detecção e dimensionamento.

As correntes de Foucault que fluem no material produzem um campo magnético secundário que se opõe ao campo magnético primário produzido pela bobina da sonda, reduzindo a fluxo magnético liquido. O método de ensaio por correntes parasitas é extremamenteversátil visto que pode ser utilizado para várias aplicações. *Curso de Correntes Parasitas Nível 2 – CETREND-MG em Junho-2004 (Aprovado) As sondas para inspeção de tubos são sólidas e leves, elas foram concebidas para: correntes parasitas, campo remoto, vazamento de fluxo magnético e ultrassom IRIS. O método de ensaio por correntes parasitas é extremamente versátil visto que pode ser utilizado para todas as aplicações onde possa sercorrelacionado com as variações geométricas, elétricas ou magnéticas. Frete grátis para todo o país O campo magnético gerado por uma sonda ou bobina alimentada por corrente alternada produz correntes induzidas (correntes parasitas) na peça sendo ensaiada. O próprio consulente, pela revolta, pelo medo e, sendo influenciado, também gerou correntes mentais parasitas auto-induzidas, o que permitiu e agravou o quadro. Uma delas, está nos níveis de potência utilizados: no caso da técnica de aquecimento por indução, utilizam-se potências bem mais elevadas do que no caso de ensaios por correntes parasitas. Como consequência disto, nas proximidades da bobina é gerado um campo eletro-magnético chamado de campo primário (HP), o qual induz um fluxo de correntes parasitas na peça sendo ensaiada.

Diferença entre as técnicas: Correntes Parasitas e Correntes Parasitas Pulsadas

  • a profundidade de penetração das correntes parasitas pode ser reduzida a fração de milímetro, em materiais de condutividade maior, como é o caso do cobre, ligas de alumínio, etc.;

Neste caso: U ind ≈ Φ (π,μ) De forma geral, nos ensaios por correntes parasitas: - As variações de permeabilidade magnética (μ), correspondem a variações na dureza do material.

Quando uma peça metálica é colocada dentro ou nas proximidades de uma bobina, o campo eletromagnético da mesma, muda devido ao fluxo de correntes parasitas na peça. Para a aplicação do ensaio, a sonda de teste deve estar eletricamente conectada a um equipamento eletrônico de testes por correntes parasitas. Define-se o termo descontinuidade como uma variação na homogeneidade do meio onde são induzidas correntes parasitas pela sonda de teste. Sonda NECP-1152L 45° Stainless Shaft Weld As correntes parasitas, também conhecidas como correntes focault, são induzidas em materiais condutores que se movem em um campo magnético. Esta repentina alteração no campo magnético gera correntes parasitas, que se propagam no material e decaem em potencial na medida em que se propagam. O campo induzido por estas correntes parasitas é detectado por uma bobina presente na sonda PEC, e o sinal detectado é relacionado à espessura. A técnica de Correntes Parasitas Pulsadas obtém a medida da espessura da parede por uma média da área sob a sonda (área circular onde as correntes parasitas circulam). NADIA MARCUZ,POR INCENTIVAR-NOS, MOTIVANDO-NOS SEMPRE NO CONTEÚDO PROPOSTO PELA DISCIPLINA.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASPEREIRA, PA de S. Estudo preliminar da aplicação da técnica de correntes parasitas visando a inspeção submersa de elementos combustíveis. COPPE/UFRJ, 2007.STEGMAN, D. Curso de correntes parasitas.

Ensaio por Correntes Parasitas é o método no qual é induzido um fluxo de correntes elétricas (Correntes Parasitas) no objeto sobensaio, através de uma ou mais bobinas

  • Ensaio visual
  • Ensaio por líquidos penetrantes
  • Ensaio magnético
  • Ensaio radiográfico
  • Ensaio por ultra-som
  • Ensaio por correntes parasitas
  • Ensaio de estanqueidade
  • Emissão acústica

A técnica das Correntes Parasitas Pulsadas (Pulsed Eddy Current, ou #PEC) é utilizada na indústria para inspeção de materiais ferromagnéticos sob isolamento não-condutivo.

Desta haste sai o cabo elétrico (3) de conexão externa para o equipamento de teste de correntes parasitas utilizado. O valor da tensão existente entre os braços é continuamente monitorado por um amplificador diferencial (5) existente no 15 equipamento de teste de correntes parasitas utilizado. As alterações são então registradas pelo equipamento de teste de correntes parasitas utilizado. Correntes Parasitas O campo magnético gerado por uma sonda ou bobina alimentada por corrente alternada produz correntes induzidas (correntes parasitas) na peça sendo ensaiada. As pinças F62 e F65 são também pinças multimétricas de bolso com grande funcionalidade: correntes até 100 A, tensões CA/CC, frequência, resistência e teste de continuidades. Muito mais que isso, a resistência de isolamento e as correntes de fugas possuem diversas componentes que devem ser levadas em conta num teste. Estes campos magnéticos penetram no material testado (condutor de eletricidade) e geram no interior do mesmo correntes parasitas, devido às quais é denominado o método. A área da geração das correntes parasitas no material depende muito das freqüências de teste escolhidas. As correntes parasitas, por sua vez, geram um campo magnético alternado, secundário, o qual é oposto ao campo magnético alternado primário, gerado pela bobina.

  • Campo magnético produzido por uma corrente elétrica
  • Corrente induzida por um campo magnético: corrente parasita, indutância
  • Campo criado por uma corrente parasita, reatância

Pelo fato das correntes parasitas serem responsáveis pela formação do campo secundário, o comportamento das correntes parasitas se refletem no sinal de medição.

O campo que a corrente alternada cria na bobina induz as correntes parasitas na amostra que esta se examinado e que atua como enrolamento secundário de espira única. Essa bobina gera o campo magnético primário Hp, que por sua vez gera as correntes parasitas no material testado. Na utilização prática do método de correntes parasitas, distinguem-se pelo arranjo das bobinas de teste, os seguintes métodos: O aparelho de correntes parasitas e a sonda podem ser usados para detecção, e, usando um procedimento específico, muitas vezes é possível realizar medição quantitativa. Normalmente, a corrosão em aço não é detectável com correntes parasitas, embora algumas exceções, assim como a técnica de reflexão de campo remoto, a maioria é para inspeção de tubos. A principal limitação deste método é a baixa densidade das correntes parasitas no lado mais distante da primeira camada, e o resultado da sensibilidade da corrosão fica abaixo de 10%. As Correntes Parasitas são originadas através da aplicação de campo magnético (corrente alternada) em materiais metálicos. O campo magnético gerado por uma sonda ou bobina alimentada por corrente alternada produz correntes induzidas (correntes parasitas) na peça sendo ensaiada. Correntes Parasitas-Atribuições O campo magnético gerado por uma sonda ou bobina alimentada por corrente alternada produz correntes induzidas (correntes parasitas) na… CONTEÚDO: OBJETIVO: 2. O ensaio com correntes parasitas somente pode ser usado em materiais condutores de eletricidade, como por exemplo: aços, ferro, alumínio, cobre, latão, bronze, titânio e outros. Outro exemplo de ensaios com correntes parasitas é inspeção do cordão e base da solda como também a zona afetada pelo calor. Consiste na indução de campo magnético em material metálico com o objetivo de gerar correntes parasitas. Outras aplicações da técnica são: A técnica das Correntes Parasitas Pulsadas (Pulsed Eddy Current, ou PEC) é utilizada na indústria para inspeção de materiais ferromagnéticos sob isolamento não-condutivo. Corrente Parasita (CP) Método no qual é induzido um fluxo de correntes elétricas (Correntes Parasitas) no objeto sob O ensaio por correntes parasitas pulsadas é utilizado para realizar uma inspeção quantitativa comparativa de medição de espessura em pernas de esfera, vasos e tubulações isoladas e outras. A corrente de excitação que circula na sonda gera um campo eletromagnético primário, de alta freqüência, que induz um fluxo de correntes parasitas. Os métodos mais usuais são: ensaio visual, líquido penetrante, partículas magnéticas, ultra-som, radiografia (Raios X e Gama), correntes parasitas, análise de vibrações, termografia, emissão acústica, estanqueidade e análise de deformações. Ensaios com Correntes Parasitas é a melhor técnica para inspeção de tubos não ferromagnéticos como por exemplo dos seguintes materiais: aço inoxidável austenítico, latão, cobre, Inconel ou titânio.